EnglishPortuguese

CURY E MOURE SIMÃO ADVOGADOS (CMS) OBTÉM LIMINARES CONTRA A BWA/ALPEN, SEUS SÓCIOS e EMPRESAS COLIGADAS.

Compartilhe

Share on facebook
Share on linkedin
Share on twitter
Share on email

Empresa lesou milhares de clientes em Santos e região através de contratos de intermediação de criptomoedas.

O escritório CURY e MOURE SIMÃO ADVOGADOS (CMS) obteve liminares em favor de seus clientes contra a empresa BWA/ALPEN, seus sócios e diversas empresas coligadas.

As tutelas de urgência foram concedidas pelo Poder Judiciário da Comarca de Santos/SP para bloquear todos os ativos financeiros da BWA/ALPEN, seus sócios e empresas coligadas, bem como, determinar o bloqueio cautelar de bens móveis, imóveis, aeronaves, entre outros. Veja aqui algumas das decisões obtidas nas ações tuteladas pelo CMS. – Decisão 1ª vc Tarja – Decisão 2ª vc Tarja – Decisão 12ª vc Tarja

Segundo o sócio do CMSMaurício Guimarães Cury, “as medidas liminares são necessárias para preservar os direitos futuros dos nossos clientes”. “A lesão causada pela BWA/ALPEN contra milhares de clientes é enorme”, conclui Cury.

ENTENDA O CASO BWA/ALPEN

O Grupo BWA/ALPEN atua na área de compra e venda de criptomoedas, especialmente com Bitcoins. O grupo prometia à seus clientes lucros fixos que chegavam ao patamar de 10% ao mês (120% ao ano).

Há alguns meses o grupo vinha dando sinais de problemas de liquidez, principalmente no que tange ao pagamento dos rendimentos e na efetivação dos saques requeridos pelos investidores.

No início de dezembro de 2019, o grupo BWA/ALPEN retirou a sua plataforma eletrônica do ar, impossibilitando os investidores de terem acesso aos seus saldos, rendimentos e de realizarem qualquer operação financeira, na medida que todo o controle do valor investido se dava através de uma plataforma eletrônica.

Diante da não efetivação dos saques requeridos pelos seus clientes;  do descumprimento das sucessivas promessas de seus sócios no que tange a devolução dos valores investidos; da notícia de que dois sócios da BWA/ALPEN haviam se evadido do país e, por fim, em razão do aparente encerramento das suas atividades negociais com a desocupação da sua sede principal; dezenas de ações judiciais foram promovidas na Comarca de Santos/SP.

As ações judiciais promovidas pelo CMS visam, basicamente, rescindir os contratos firmados com a BWA/ALPEN e obter, de volta, os valores investidos pelos seus clientes.

Notícias e artigos